Senso absolutamente e irrevogavelmente comum



Eu não consigo imaginar como é ser absolutamente e previsivelmente comum.

Quero dizer, como deve ser gostar apenas  de coisas comuns, sem nenhuma brecha?

Sempre acreditei que o inteiramente normal não existe. Que cada um tem alguma peculiaridade, algo diferente que vai contra o senso comum, aquela característica que nos faz únicos.

Recentemente, descobri que não é assim.

Alguns simplesmente se contentam com o óbvio. O que não é necessariamente ruim, só me parece meio chato.

É possível se contentar apenas com as músicas que tocam no rádio, ou apenas com as roupas que todos parecem usar ou mesmo com os filmes blockbuster.

Pensando bem, minha vida teria sido muito mais fácil se eu simplesmente não tivesse que procurar sites gringos para baixar filmes e livros ou se eu não tivesse insistido em pintar meu cabelo de azul na adolescência ou mesmo se eu tivesse dado bola para aquele cara perfeitamente simpático e agradável, em vez dos excêntricos que me parecem mais interessantes.

E nem é uma questão escolha, é só que em um momento, as coisas rotineiras enjoam.

Mas ainda assim, mesmo entendendo a lógica da facilidade de se apegar ao senso comum, acho que temos opções demais para nos restringirmos ao que está apenas em nossa frente.



0 comentários:

Postar um comentário