Quando o meu olhar se perde no vazio



Tenho um costume problemático. As vezes, quando olho fixamente para algum lugar por alguns instantes, meu corpo acaba se acostumando e eu consigo ficar na mesma posição por um tempão sem me dar conta. Só que eu não fico com cara de boba, distraída nem nada assim. Eu simplesmente fico com a expressão de alguém interessada no que está vendo. Não que eu veja algo em especial. Nessas horas, eu tenho total noção de sons, se alguém me chamar, mesmo baixo, eu rajo na hora, é só o meu campo de visão que acaba se fixando naquilo.
Isso me causa dois problemas:

1.Quando alguém que eu conheço passa por mim, me olha ou sorri. Se eu tiver no meu estado de concentração no vácuo, a pessoa pensa que eu a vi mas a ignorei (sendo que eu não tive a menor ideia que ela já esteve ali, simplesmente, não entra no meu campo de visão).
Ou seja: Se você me vir, e eu parecer olhar fixamente para você, mas não responder o tchauzinho que você me mandar, não fique triste, é que não estava te vendo.

2.Quando lá estou, de boa, vislumbrando o horizonte, e de repente, chega um cara esquisito (ogro velho) e diz com um sorrisinho suspeito:
“Oi, eu vi que você tava me olhando...”
Aonde eu enfio a minha cabeça nessas horas?

“Quem se odeia, se ama...”



Tenho algo a dizer às pessoas que dizem isso:
OTÁRIOS.
Francamente, o que dá nas cabeça das pessoas para acharem que só porque dois indivíduos não se dão bem, eles se amam?
Não discordo totalmente. É mais fácil eu vir a gostar de um cara que eu já odiei, do que um que eu amo como irmão.
Mas essa não é a questão. E sim que: É possível sim odiar alguém do sexo oposto sem se sentir atraído por ele.
Se a regra do Ódio = Amor fosse universal e imutável, o mundo seria gay.
Mulheres que se odeiam (e são muitas), estariam se se pegando (no sentido sexual) nas salas da escola. Homens então...(><)! Aiaiai...
Vamos dar liberdade ao ódio! Que as pessoas possam se odiar em paz sem que os outros pensem besteiras sobre elas!

Eu odeio novela brasileira, mas em compensação...



Eu realmente não gosto de mocinhas inocentes e sem ação. Detesto ver aquelas histórias onde a mártir, por causa da sua doce burrice, complica a própria vida e depois acaba dependendo de todo mundo para se salvar. Mas...
Lá estava eu, que tinha acabado de terminar de assistir “Full House” (agora, um dos meus doramas favoritos.), buscando um novo seriado asático quando vejo uma foto bonita, e parto para ler a sinopse do dorama:

“Depois de finalmente tomar coragem para confessar seus sentimentos, Qi Yue (Rainie Yang) estava entregando sua carta de amor a Yuan Yi (Kingone), mas, por azar, ele não a viu e passou direto por ela. A pessoa que está diante dela é o problemático da escola, conhecido por seu comportamento diabólico, Jiang Meng (Mike He). O diabo conseguirá o que ele quer? O objeto do desejo de Jiang Meng é justamente Qi Yue!
Apesar da aparência de má pessoa, Jiang Meng tem um bom coração e é carinhoso, o que realmente toca Qi Yue. Há, no entanto, um grande obstáculo para essa relação: o pai de Jiang Meng se casará em breve com a mãe de Qi Yue. Apesar de não serem irmãos de sangue, quem aceitará uma relação entre os dois? O que acontecerá com esse relacionamento quando outras pessoas entrarem em cena?”

Opa! Cara malvado...! ADOOOOORO!!!

Assisti o primeiro episódio e corri para baixar o segundo. No início, achei a mocinha fofa, mas depois, lá para o quinto epi, eu queria socar a criatura!! MinhaNossaSenhoraDasAmebasMasoquistas, rogai por ela! Se o cara não fosse tão legal, eu possivelmente não teria paciência para assistir até o final! Que menina mais burra!! o tipo de pessoa estupidamente ingênua e pura incapaz de tomar uma atitude!
Como só falta 7 epis para acabar, vou ver até o fim, esperando que a besta reaja!

Baixei nesse site> http://newsf4aw.blogspot.com/2009/02/devil-beside-you.html