Em 2010 eu...



decidi o curso que faria - Hotelaria (mesmo ele sendo outro diferente daquele que eu planejei desde a infância)

comecei a faculdade (um mês depois de ter escolhido o curso)

conheci pessoas bem diferentes

aprendi com algumas delas (as from roça) que o fato de morar em uma cidade grande me permite certas loucuras (já que possivelmente não verei os mesmos rostos outra vez)

segui (algumas vezes) a filosofia acima

perdi contato com algumas pessoas

mantive com outras

odiei

amei

não me apaixonei

não mantive uma dieta

li menos livros do que o ano passado

continuei apaixonada por vampiros

comecei a me entregar aos lobisomens e anjos (os caídos)

comecei a estagiar

passei a valorizar mais os fins de semana

tive vontade de matar vários seres (humanos)

perdi um gato

ganhei uma gata

fui malvada (muitas vezes)

fui legal (só se a pessoa merceia e/ou se era conveniente para mim)

tive várias quedinhas por caras (e mesmo que eu tentasse evitar, a maioria deles era japa)

fui mais real com os outros (comigo eu costumo ser sempre)

fiquei com saudades (sabe quando bate a nostalgia?)

Quase larguei a faculdade (se eu tivesse ido mal nas provas, já tinha planos de vazar para Gastronomia)

percebi que muitas vezes me superestimava (baita golpe no orgulho)

por alguns momentos, voltei a ser a pessoa introspectiva e fechada que eu era

contei muito com a sorte

fiquei loira

não aguentei e voltei ao castanho

continuei sendo essa contradição ambulante semi-bipolar.

Como se livrar de um vampiro apaixonado

Sabe como é, dia de cuva em São Paulo, trânsito eterno, o quádruplo do tempo que você leva normalmente para chegar em casa. Um inferno na terra... Passei pela livraria, olhei a pilha de livros pops, anjos, romances adolescentes, vampiros. Peguei alguns que eu estava interessada, sempre fugindo dos vampiros, mas...
Eu o vi...
Uma capa linda, um título divertido e uma sinopse legal:

Jessica Packwood levava uma vida tranquila no interior da Pensilvânia e esperava ansiosamente pelo início do último ano escolar. Seus planos eram se formar e conseguir uma bolsa de estudos para a faculdade, ganhar a olimpíada de matemática e namorar seu colega Jake Zinn.
Mas aí um novo aluno esquisitão (e muito gato) chamado Lucius Vladescu aparece do nada, dizendo que Jessica pertence à realeza vampírica e lhe foi prometida em casamento para selar a união entre os clãs mais poderosos dos vampiros. E de repente Jessica percebe que sua vida está prestes a virar de pernas para o ar.
Para completar, Lucius fica hospedado na casa dela e faz de tudo para conquistá-la e atrapalhar seu flerte com Jake. Com a desculpa de que está fazendo intercâmbio, ele gruda em Jessica na escola e humilha todos os outros alunos da aula de literatura. O romeno esnobe e perfeitinho tira a garota do sério, mas logo começa a se encantar pelo estilo de vida local e a rever seus conceitos.
Jessica, por sua vez, vivencia uma importante autodescoberta e sofre uma transformação física e psicológica, fazendo as pazes com o seu passado e chegando a uma encruzilhada: ela deve ignorar o pacto de casamento e tocar sua vida simples ao lado da família e do namoradinho do colégio ou se abrir para uma experiência surreal e se unir a Lucius por toda a eternidade?
Em seu livro de estreia, Beth Fantaskey mesclou humor, fantasia, romance e terror para criar uma história surpreendente. Repleto de tiradas sarcásticas, diálogos divertidos e personagens complexos, Como se livrar de um vampiro apaixonado apresenta uma nova forma de enxergar os mortos-vivos mais atraentes da literatura mundial


O que eu podia fazer? Amo vampiros desde que me entendo por gente e este prometia me entreter muito além do que eu planejei a princípio. O preço também não estava nada mal, R$ 24,90. nem pensei duas vezes antes de me dirigir ao caixa.

Li as 300 páginas em poucas horas, de tão envolvente que o livro foi. Agora vou contar sobre ele e já que eu não consigo fazer isso sem contar o final, vou deixar avisado : SPOILER!!

Para começar, a mocinha é legal, sabe, extremamente racional, do tipo que não é iludia facilmente só porque um cara é muito gato e charmoso. E o mocinho... Ri litros com o Lucius! Não que ele não seja misterioso e tenha aquele ar perigoso que eu amo, mas o cara é tão bobo! Sabe aquele principezinho mimado que não entende nada do mundo dos plebeus, e acaba sendo até atrapalhado? Não que ele tenha sido mimado, mas se comporta como tal.

Adoro esses heróis atípicos! Bem, voltando, ele aparece do nada na vida da Jess como seu noivo já esperando que ela caia aos seus pés, o que não acontece, mesmo porque, ela faz questão de ignorar qualquer coisa anormal que esteja acontecendo, só reconhece que o Lucius é um vampiro passando da metade do livro.

Nisso, fugindo dessas complicações, ela começa a se envolver com “atarracado”, que era o jeito que o Lucius chamava o pobre Jake, o garoto popular e bonitinho por quem a Jess tinha uma queda e o Lucius por ciúmes e despeito (é a minha visão da obra, ok?) passa a namorar a vaca do colégio, Faith. Nisso, Jess se toca que ama o Lucius. Agora é só recuperá-lo, afinal, o que um vampiro tão nobre como ele poderia querer com uma humana qualquer como a Faith? Mas o que acontece?

O anta do Lucius resolve romper o pacto do casamento e se afastar de vez da Jess, porque descobre que era uma trama para beneficiar a família dele. Não que não seja um gesto nobre e tal, mas não era necessário uma atitude tão drástica.

Daí que ele simula a própria morte e a Jess fica sozinha naquela entediante cidade do interior, mas não por muito tempo, porque logo descobre o plano e vai à Romênia atrás do bonitão. Mas Lucius já não é mesmo, está revoltado, mal e com um olhar sombrio e sem sentimentos (eu sei, que sexy...), mas ela sabe que precisa salvá-lo da pessoa (?) que se tornou, então jogando cm a própria vida, ela o testa e ele volta ao normal e a transforma em vampira, como ela queria, assim, sem enrolação.

Coisa que eu adorei neste livro é a falta da tão cansativa enrolação, ela não passa oras divagando sobre o cara e a autora também não se prende mito à cenas nem tão importantes. Por exemplo, a batalha do Lucius com tio dele não foi descrita, de repente a Jess chega na Romênia e o tio do Lucius já está morto. As vezes eu até gosto de ação, mas ela pode cortar o clima do livro muito fácil.

Enfim, este é um livro que vale muito a pena, mesmo! Super engraçado e emocionante, com personagens incomuns e cativantes. Uma ótima saída para quem quer rir dos clichês!