Enfia esse bico no...


Sabe uma coisa que eu odeio?

Quer dizer, eu odeio muita coisa, mas essa está o top 5... É o seguinte:

Mulheres que usam uma fragilidade que não te para conseguirem o que querem. Não estou falando de fragilidade física (qual é o problema de fingir não conseguir abrir uma tapa só para deixar o cara ser cavaleiro?). Falo do drama, da chantagem emocional, de chorar por qualquer coisinha só para ser atendida.

Isso é coisa de fedelha mimada.

Odeio pessoas que fazem bico para conseguir o que querem ou que se colocam om vítimas quando não conseguem (e nem tentam) alcançarem seus objetivos.

Odeio gente que usa de ofensas veladas para parecerem inocentes só porque sabem que isso não permite que os outros se defendam.

Odeio gente que exige atenção quando não faz nada para merecê-la e em vez de tentar conquistar isso de forma madura, apela para choros , vozinhas finas e bicos.

E tanto quanto isso, eu odeio quem não consegue reconhecer esse tipo de gente e se deixa levar pelo drama caculado. Gente que acha que só porque alguém faz manha é mais inocente que aquela pessoa que fica na sua tentano resolver racionalmente. E então, quando você não é desse tipo de mulher, quando você não faz drama, não chora e nem se coloca como vítima, você é vista como fria.

E o que é pior, é que nem estou falando desse tipo de atitude em uma relação amorosa nem nada (por mais que isso também me irrite). A questão é profissional mesmo.

A vida pessoal de cada um pertence ao seu respectivo dono, não estou nem aí. Mas do ponto de vista profissional, acho que esse tipo de gente está no lugar errado. E o tipo de gente que cai nessa chantagem emocional barata não está preparado para liderar.

Sussurro - Eu me rendi...



OK, eu me rendo!

Com muito prazer (frisando a palavra "prazer") eu me rendo aos anjos!

O aclamado responsável por essa minha nova visão da coisa é Sussurro, um livro da autoria de Becca Ftizptrick, eis a sinopse:

"Entrar em um relacionamento não estava nos planos de Nora Grey. Pelo menos até a chegada de Patch. Seduzida por seu sorriso despretensioso e pelo olhar que parece enxergar através dela, Nora se sente incapaz de pensar com clareza.

É quando uma sucessão de acontecimentos assustadores começa a cercá-la. Enquanto isso, Patch parece surgir em todos os lugares e mostra que sabe absolutamente tudo sobre sua vida. É impossível decidir entre atirar-se nos braços dele ou fugir do perigo que o ronda.

Na busca de respostas, Nora se aproxima de uma verdade ainda mais avassaladora que seus sentimentos por Patch. De repente, ela está no centro da eterna batalha travada entre anjos caídos e seres imortais - e quando chegar a hora de escolher um dos lados, a decisão errada poderá custar sua própria vida."

Agora vem a minha opinião, onde eu -incontrolavelmente- conto o que acontece no livro, então se você não quiser saber o que vai acontecer na história, é melhor não ler...

Tudo começa com o clichê dos parceiros de laboratório. A Nora tem que se separar da sua amiga na aula por ordem do professor e passa a fazer par com o aluno (incrivelmente charmoso) transferido. Desde o início ele parece ser diferente, perigoso e ela que não é boba nem nada trata de fugir dessa anormalidade. Com o tempo, Patch vai se aproximando e pondo em dúvida todos os conceitos da garota, que mesmo que a princípio (bom, quase o livro todo) evite se envolver, acaba cedendo devido ao sentimento.

Aliás, é nisso onde eu quero chegar: A autenticidade do Patch. O cara é rebelde, malicioso, imprevisível e sabe o que quer. Tão humano que nem parece mesmo humano. E sabe o melhor? Ele continua assim até o final!

Ultimamente ando tão decepcionada com esses mocinhos que são interessantes a princípio, mas com o decorrer da história e depois da declaração de amor se tornam chatos, melosos e ENTEDIANTES.

O Patch, não! Ele mantém aquela áurea ameaçadora e sexy mesmo depois do amor revelado. Em alguns momentos da história nem dá para ter certeza se ele é confiável ou não. E de fato não ele era... Mas mudou isso com o tempo, sem deixar de ser o ser absolutamente sedutor que sempre foi.

Fora isso também tem a melhor amiga da mocinha (que mesmo que eu gostasse no começo, se mostrou muito tonta do meio para o fim), a terceira parte do triângulo (um cara que aparentemente dava a entender ter interesse na Nora, mas que de fato não significa muito no contexto) e o vilão bonito (fazer o quê? Ele era chato, mas tenho uma queda por caras altos e sombrios).

Esse com certeza foi um dos melhores livros que já li, daqueles que te prendem do começo ao fim (eu sei que escrevo isso de todos, mas só os ótimos livros merecem uma postagem). Mesmo não gostando de suspense, realmente me empolguei com esse, mesmo as partes que geralmente me irritam (tipo a mocinha tentando bancar a heroína destemida sem ter capacidade para isso) acabaram por me empolgar e não me fazer desgrudar do livro.

Agora é só esperar o lançamento de CRESCENDO, a continuação, que pelo que sei, tem lançamento no Brasil previsto para esse semestre, e evitar cair na tentação dos spoilers e e-books...